O Tabernáculo como Proteção de Deus

No deserto, o tabernáculo era colocado no centro com três tribos acampadas de cada lado. A tribo de Levi, da qual vinham o sacerdote e os servos do tabernáculo, acampava no lado leste, perto da entrada. 

O tabernáculo era colocado exatamente no centro das tribos; isto revela que Deus veio para habitar no meio do Seu povo. Com o Tabernáculo no centro do acampamento, havia fácil acesso, bem como proteção completa para todas as tribos. 

A nuvem sobre o tabernáculo podia espalhar-se por todo o acampamento, para que o povo tivesse sombra durante o dia e luz durante a noite. De modo significativo, todos podiam ter acesso à presença de Deus, bem como receber a Sua completa proteção.

Deuteronômio 23:14 declara: “Pois o Senhor, o seu Deus, anda pelo seu acampamento para protegê-los e entregar-lhes os seus inimigos. O acampamento terá que ser santo, para que ele não veja no meio de vocês alguma coisa desagradável e se afaste de vocês.”

Os Salmos também enfatizam que Deus habita no meio do Seu povo. Salmos 46:5 diz: “Deus nela está! Não será abalada! Deus vem em seu auxílio desde o romper da manhã.”

Deus Expressa a Si Mesmo

O Novo Testamento também enfatiza esta verdade. Referindo-se ao Senhor Jesus Cristo, Apocalipse 1:13 diz: “e entre os candelabros alguém “semelhante a um filho de homem”, com uma veste que chegava aos seus pés e um cinturão de ouro ao redor do peito.” A Escritura confirma que Ele habitava no meio do Seu povo.

É importante notar a divisão principal do tabernáculo e os seus componentes. Este é um exemplo clássico de como Deus se expressa de forma tangível mas altamente simbólica, com profundo discernimento espiritual e profético.

Deus encontrou Moisés no Monte Sinai e descreveu como o Tabernáculo deveria ser construído. Cada detalhe retrata aspectos do ministério terreno de Jesus. Havia três compartimentos no Tabernáculo. 

A morada de Deus

No manual do Tabernáculo, Deus começou com o Santo dos Santos; depois o Lugar Santo e o Átrio Exterior. Comumente, pensamos na ordem inversa. Ou seja, o Átrio Exterior, o Lugar Santo e o Santo dos Santos. As pessoas se aproximavam de Deus desta forma.

Contudo, Deus começou a Sua descrição do Tabernáculo com a Arca da Aliança. Este era o Seu lugar de morada. Depois Ele seguiu para fora, em direção ao átrio exterior.

A verdade espiritual é que Deus começou com o lugar da Sua morada onde o perdão e a misericórdia podiam ser obtidos e não com o Átrio Exterior. O mobiliário do Átrio Exterior consistia em duas peças principais: o “Altar do Sacrifício” e o “Lavatório”.

Êxodo 27:1-2 fornece a descrição relativa à sua construção. “Faça um altar de madeira de acácia. Será quadrado, com dois metros e vinte e cinco centímetros de largura e um metro e trinta e cinco centímetros de altura. Faça uma ponta em forma de chifre em cada um dos quatro cantos, formando uma só peça com o altar, que será revestido de bronze.”

O Lugar de Encontro de Deus

O altar era o lugar do sacrifício de substituição; o lugar da morte. Ali, o sangue era derramado e o sacrifício (corpo) era consumido pelo fogo, o que fala de julgamento. Prefigurou a Cruz sobre a qual o Senhor Jesus derramou o Seu sangue para pagar a pena pelos pecados do mundo.

De certa forma, foi o local de encontro do Deus Santo e do homem pecador. Deus desceu ao encontro do pecador, onde Ele aceitou um substituto para o seu pecado. Neste sentido, o altar era verdadeiramente um tipo de Cristo, que se tornou o substituto do pecado do homem e assim permitiu que o Deus Santo e o homem pecador se encontrassem.

O altar retrata a Cruz, que é a única forma de salvação. Portanto, ao receber Jesus como Salvador, produz o único fundamento verdadeiro na vida de uma pessoa. O apóstolo Paulo disse em 1Co 3:11 “Porque ninguém pode colocar outro alicerce além do que já está posto, que é Jesus Cristo.”


Foto tirada do Wikimedia Commons

Paul Mursalin is a member of the International Board of Barnabas Fund from Guyana.